Menu


Notícias



O que é melhor: atividades ao ar livre ou na academia?


Qual é o melhor lugar para fazer exercício? Ao ar livre, em contato com a natureza, ou numa academia de ginástica?

O tema divide as opiniões dos especialistas. De um lado, há quem valorize a prática de atividades físicas ao ar livre, de preferência em parques arborizados. De outro, há quem garanta que o ambiente climatizado das academias é o mais seguro. Fisiologista e professor da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp), Raul Santo de Oliveira não esconde uma preferência pela primeira opção. Segundo ele, as vantagens de se exercitar em parques e ciclovias são inúmeras.

“Ao ar livre, você escolhe entre uma pista de grama ou terra, que oferece um impacto bastante reduzido ou, então, opta por subidas, que forçam o nível de desempenho do atleta”, pondera Oliveira. “Na academia, é possível recriar na esteira uma movimentação idêntica ao ar livre, mas treinar em lugar fechado, para algumas pessoas, pode ser altamente desestimulante.”

Já o professor de Educação Física, Eduardo Netto, pensa diferente. Coordenador técnico da Rede A!Body Tech de Academias, ele afirma que a grande vantagem da academia é que ela disponibiliza um professor para monitorar resultados. “As modernas esteiras ergométricas fornecem todas as informações necessárias, como velocidade, distância, inclinação, calorias gastas e frequência cardíaca. Tais informações são úteis para um treinamento mais específico”, explica.

Prós e contras

Vantagens e desvantagens existem nas duas modalidades. “Em alguns casos, correr ao ar livre pode não ser tão seguro quanto a gente gostaria. Para correr numa avenida engarrafada e poluída, é melhor correr numa esteira”, reconsidera Oliveira. “Cada estação inspira cuidados. Nos dias mais quentes, as atividades ao ar livre são mais apreciadas. Mas é importante não usar roupas escuras e pesadas e não esquecer nunca do protetor solar”, pondera Netto.

A discussão em torno do melhor lugar para fazer exercício não se restringe à terra firme. Enquanto uns preferem praticar remo em barcos, outros se contentam em aprimorar a forma em aparelhos conhecidos como remoergômetros. “Remar no barco é muito mais prazeroso. Mas, sem dúvida, exige mais do atleta”, avisa o professor de Educação Física, José Luiz Emerim, da Confederação Brasileira de Remo. Para o fisiologista Turíbio Leite de Barros Neto, coordenador do Centro de Estudos em Medicina da Atividade Física e do Esporte (Cemafe), não existe lugar ideal para se praticar exercícios físicos. Tudo vai depender da personalidade do indivíduo. “A escolha do lugar não chega a interferir no resultado final. O que afeta é a satisfação da pessoa ao praticar aquele exercício. Se está satisfeita, o exercício tende a render”, enfatiza. “O ideal é que as pessoas alternem as duas opções. Se você está acostumado a praticar atividades físicas sozinho, matricule-se numa aula em grupo. Por outro lado, se só pratica musculação, experimente montar um grupo e correr no parque”, sugere Carlos Alberto Parizzi, diretor da Secretaria Municipal de Esporte e Lazer do Rio de Janeiro.

Fonte: Revista Viva Saúde

« Voltar